Insatisfeitos

Reflexões

Hey! E aí?

Vim compartilhar uns dedos de prosa com vocês.

Acredito que eu já tenha falado aqui sobre ter (finalmente) concluído a faculdade em Dezembro, e que por graça apenas já comecei a trabalhar em Janeiro, então vou pular essa parte. O fato é que depois disso muita coisa tem mudado em minha vida, e é justamente sobre isso que quero falar hoje.

Trabalhar é muito bom, em certos aspectos – acho mesmo muito difícil alguém ver a minha pessoa falando que acordar cedo é legal, assim como 99% da população mundial. Mas à medida que as responsabilidades aumentam, assim como as manobras para atender a todas as outras questões da vida, o amadurecimento e a recompen$a também crescem proporcionalmente.

Porém, também sabemos que nem tudo na vida são flores. Além de cansaço físico e mental, eu adquiri dois novos vícios: o capuccino e as compras. Pra ser sincera, eu ainda não sei se adquiri esse segundo vício ou só reacendi algo que julgava estar adormecido.

Me lembro que, quando peguei o meu primeiro salário, pensei algo mais ou menos como: “Tudo bem se eu comprar tudo o que eu quiser esse mês, afinal, já esperei tempo demais para fazer isso”, e quem me conhece de perto sabe que esperei mesmo. Só sei que de repente me vi comprando três bolsas e vários sapatos, tantos sapatos quanto fui capaz de imaginar. E isso sem contar o meu vício de consumo mais antigo: os livros, que foram muitos também.

Mas pensei que no segundo mês eu já estaria mais sóbria, afinal, há tempos tenho planos de economizar uma boa quantia e viajar, mas para a minha surpresa, o segundo mês não foi nada diferente do primeiro.

Já no terceiro mês a necessidade de trocar meu celular se sobressaiu aos meus desejos de trocar de teclado e comprar um ukulele. E mais roupas, e mais livros. O lado bom é que os presentes para os meus amigos se tornaram muito melhores.

Esse ciclo se repetiu por mais um tempo e depois foi evoluindo, eu já estava começando a ficar bem mais ligeira para encontrar os melhores lugares e os melhores preços. Só que essa informação não era tão útil assim, visto que só me capacitava a comprar ainda mais.

Em algum ponto desse processo todo, enquanto procurava o presente para um amigo e segurava o novo par de sapatos que tinha acabado de comprar, percebi que ao contrário do que eu imaginava que seria, aquele poder de compra não tinha aumentado a minha felicidade. Mas se agora eu tinha as coisas que sempre quis ter, de onde vinha tanta insatisfação?

Passei dias me questionando no íntimo sobre isso, e essa inquietação me tornou mais sensível às pessoas que vi à minha volta. Percebi que eu não era a única, e que essa mesma insatisfação também atingia outras pessoas que, com mais tempo e esforço, chegaram a níveis bem mais “elevados” que o meu. E presta atenção nisso porque eu não estou falando de gente pobre e sem esperança na vida não, me refiro à uma classe média bonita e aparentemente cheia de vida – cheia de rolês, popularidade e quase tudo que o status quo costuma desejar.

Em parte, eu meio que fiquei feliz por não ter precisado ir ainda mais longe antes de descobrir essa insatisfação. Eu até costumava pensar vagamente em como a nossa geração é bastante insatisfeita, porque queremos tudo e queremos logo, mas ainda assim não tinha experimentado isso com tanta intensidade.

Você já parou pra realmente se perguntar por que queremos as melhores faculdades e os melhores cursos? Será mesmo que estamos realmente preocupados com a qualidade do conhecimento, ou só com o nome bonito e a impressão que isso causa quando as pessoas nos perguntam? Porque, sinceramente, esse papo de “Conseguir um bom emprego” comigo já não cola mais: fui privilegiada com uma vaga em uma faculdade pública que é muito boa na minha área profissional, mas assim que comecei a trabalhar perdi a conta de quantos profissionais ótimos, e com bons cargos, formados em lugares que pessoas das mais variadas universidades públicas e particulares de renome costumam chamar desrespeitosamente de Uniesquina – e se por acaso você, leitor universitário estadual ou federal, filho da PUC ou Mackenzista, também caiu nesse mito, que é perpetuado até mesmo pelos nossos próprios mestres, sinto dizer que lhe enganaram.

Passei a questionar bastante as minhas escolhas pessoais desde então, e olha que eu sou uma pessoa bem exigente. Será mesmo que 7 ou 8/10 não pode ser bom o bastante algumas vezes, que perfeição inalcançável é essa que a gente tanto procura? Foi me fazendo essas perguntas que comecei a encontrar sentido e afinidade com algumas ideias minimalistas; e apesar desse post ser muito denso e precisar ser dividido em duas partes, quero começar a mostrar um pouco do que tenho pesquisado e pensado sobre isso com vocês.

Em um livro que estou lendo no momento sobre Minimalismo e Cristianismo, e em quê as duas coisas se relacionam, o autor sabiamente diz:

Vivemos no mundo dos excessos, tudo o que fazemos precisa ser grande e intenso. Queremos que tudo seja rápido, fácil e, se possível, em grande quantidade. A modernidade nos trouxe muitas facilidades; mas, com elas, vieram também os excessos.

Precisamos trabalhar mais, para poder ganhar mais dinheiro. Quanto dinheiro ainda precisamos? Não sabemos, mas sempre precisa ser um pouco mais. Precisamos crescer profissionalmente e expandir nossa rede de relacionamentos, se não quisermos ficar fora do mercado. Vivemos debaixo de uma tempestade de informações e interatividade e, para conseguir assimilar tudo o que está a nossa disposição, precisaremos ter aquele aparelho que é o último lançamento em tecnologia digital. Enquanto as opções de entretenimento se multiplicam diante de nós, tentamos encontrar espaço em nossa agenda para todas elas; enquanto isso, ainda comemos compulsivamente tentando conter a ansiedade que aumenta a cada dia.

No fim, já não sabemos mais quantas coisas são necessárias para que possamos nos sentir completos e realizados. Vivemos no que poderíamos chamar de um mundo completamente “over”. O mais interessante é que este estilo de vida caracterizado por intensidade e quantidade não nos trouxe realização. Nos sentimos ansiosos, estressados, com a sensação permanente de que estamos perdendo alguma coisa importante. O “muito” nos prometeu a felicidade, mas não conseguiu entregar. Estamos cada vez mais cansados e não sabemos o que fazer para mudar isso. ¹

¹ BOTELHO, André. Menos é mais – o que Jesus ensinou, mas insistimos em não entender. Lampejos Livreteria, 2017.

E Francine Jay, a Miss Minimalism, autora do best seller Menos é mais, resume a felicidade como querer aquilo que se tem. Ela também afirma que “A publicidade quer que acreditemos que mais coisas significam mais felicidade, mas, na verdade, mais coisas significam mais dor de cabeça e dívidas”.

Mas sabe o que eu acho mesmo engraçado? Tenho conversado sobre isso com os meus amigos mais próximos, e nós concordamos que agora está até na moda reclamar sobre os excessos de nossa sociedade, buscar uma vida mais simples, etc e etc. Inclusive, indico um documentário muito bom que encontrei na Netflix sobre o tema, Minimalism: a documentary about the important things.

Entretanto, enquanto refletia essa semana, me lembrei que todas essas mesmas questões que levantamos hoje já foram feitas há muito, mas muito mesmo, tempo atrás. Eu acredito na existência do Rei Salomão pela minha simples questão de fé no Cristianismo e pelos relatos históricos contados no Antigo Testamento, mas caso você possa ter alguma dúvida quanto a realidade desses fatos, acho válido apenas dizer que arqueólogos e pesquisadores têm encontrado fatos históricos que evidenciam algumas ocorrências que não contrariam o que foi dito na Bíblia (e nesse caso específico me refiro ao quinto item desse link).

Enfim, o que eu quero mesmo dizer é que o Rei Salomão já enfrentou esses mesmos dilemas que a nossa sociedade atual questiona hoje, há muito mais tempo. Tanto que, no livro de Eclesiates, é ele quem diz:

Eu disse a mim mesmo: Venha. Experimente a alegria. Descubra as coisas boas da vida! Mas isso também se revelou inútil. Concluí que o rir é loucura, e a alegria de nada vale. Decidi entregar-me ao vinho e à extravagância, mantendo, porém, a mente orientada pela sabedoria. Eu queria saber o que vale a pena, debaixo do céu, nos poucos dias da vida humana.

Lancei-me a grandes projetos: construí casas e plantei vinhas para mim. Fiz jardins e pomares e neles plantei todo tipo de árvore frutífera. Construí também reservatórios para irrigar os meus bosques verdejantes. Comprei escravos e escravas, e tive escravos que nasceram em minha casa. Além disso, tive também mais bois e ovelhas do que todos os que viveram antes de mim em Jerusalém. Ajuntei para mim prata e ouro, tesouros de reis e províncias. Servi-me de cantores e cantoras, e também de um harém, as delícias dos homens. Tornei-me mais famoso e poderoso do que todos os que viveram em Jerusalém antes de mim, conservando comigo a minha sabedoria.

Não me neguei nada que os meus olhos desejaram; não me recusei a dar prazer algum ao meu coração. Na verdade, eu me alegrei em todo o meu trabalho; essa foi a recompensa de todo o meu esforço.

Contudo, quando avaliei tudo o que as minhas mãos haviam feito e o trabalho que eu tanto me esforçara para realizar, percebi que tudo foi inútil, foi correr atrás do vento; não há nenhum proveito no que se faz debaixo do sol.

Eclesiastes 2:1-11, NVI

Ou seja, não é só a nossa geração que está insatisfeita, o nosso problema é bem mais profundo que isso. E será possível que uma ideia, relativamente recente quando comparada ao problema, seja capaz de resolvê-lo?

Particularmente, acredito que o Minimalismo tem, sim, coisas muito úteis que podemos aplicar em nossa busca de uma vida com maior qualidade. Mas ainda assim, penso que ele por si só não seja o suficiente… Meio que sou uma daquelas pessoas que pesa em tudo aquilo que pode ser considerado, mas com equilíbrio, sabe?

Como assim? Bem, penso que o Minimalismo seja uma boa ideia de organização de espaço, tempo, assim como uma boa maneira de repensar o meu consumo; só que isso não significa que necessariamente que vou largar todas as minhas coisas e emprego agora, e me tornar uma nômade – até porque essa também é uma forma incorreta de interpretar o próprio minimalismo. E é a partir dessa óptica que venho encontrando mais satisfação de vida ao concordar com algumas propostas que essa simplicidade me apresenta, mas esse é um pensamento que eu só vou poder concluir na semana que vem.

Corre atrás do vento – Estêvão Queiroga

Anúncios

Sobre ceticismo e A Dustland Fairytale

Cristianismo

Há alguns meses, em uma segunda-feira aparentemente normal, mil coisas aconteceram até que eu pudesse chegar em meu trabalho – não foi só uma pedra no caminho, Drummond poderia ter contado pelo menos umas dez.

Foi dentre uma dessas pedras que o fretado quebrou, nos deixando parados na Celso Garcia por um bom tempo. E, como dormir deixou de ser uma opção naquele momento, tirei meu celular da mochila e comecei a ouvir uma de minhas playlists aleatórias no Spotify. Aí fiquei matutando algumas coisas com os meus botões.

Há já alguns anos que fui perdendo o contato com grande parte das pessoas que me conheciam durante a infância e a adolescência, exceto por uns poucos (e bons) amigos e alguns encontros ocasionais. E quem me conhece hoje, me vendo entre um vestido florido e outro, mal consegue imaginar que em alguma outra fase de minha vida o meu guarda-roupa era praticamente todo preto e eu só ouvia rock – e continuo ouvindo, rs.

Dentre as diversas músicas que marcaram essa fase de minha vida, se tem uma que eu nunca me esqueço é A Dustland Fairytale. Quando me perguntavam por que eu era tão fascinada por essa música, nunca sabia responder se era por conta do videoclipe cinematográfico, da performance do Brandon Flowers, ou devido a sua letra digna de mil tramas supostamente não-clichês que eu mesma bolava em minha mente. Acredito que, até ficar desenterrando esses pensamentos enquanto travada aquele dia no trânsito de SP, passei anos me convencendo que era o conjunto da obra.

Só que não era bem assim. Conforme o tempo foi passando, percebi que nenhuma dessas coisas seria um motivo suficientemente forte para que eu me identificasse com essa ou qualquer outra música. Mas o meu ceticismo sim, esse era um motivo por si só mais que suficiente.

Sim, ceticismo. É isso mesmo que você acabou de ler.

dustland1

Sabe, eu concordo muito com o Cortella quando ele afirma que não nascemos prontos, e as intempéries da vida tendem a nos levar para um lado ou para o outro; quanto mais se a idade é pouca, a experiência ainda falta, e não se sabe administrar as emoções em seu devido lugar. Não penso, entretanto, que nenhuma dessas intempéries sirva como justificativa para falha alguma, tanto minha quanto alheia, mas reconheço sua capacidade de nos moldar – tanto beneficamente quanto o contrário.

Durante muito tempo essas intempéries me moldaram: nasci em um lar Batista, protestante. Experimentei uma sequência de fatos desagradáveis, aí levei uns baques. Passei alguns anos questionando tudo e todos, até enfim poder me reencontrar de novo – o que só aconteceu quando eu pude, enfim, encontrar Deus no meio de tudo isso.

Acho que foi assim que eu acabei pensando em todas essas coisas, aliás: tudo começou com Deus, o tempo, e as reviravoltas que a vida dá. É engraçado como os anos passam e as coisas nunca ficam no mesmo lugar! Já dizia o poeta: “Sei lá, sei lá; a vida é uma grande ilusão. Sei lá, sei lá; eu só sei que ela está com a razão”.

Nunca que naqueles anos longínquos eu imaginaria com o que a vida me surpreenderia mais tarde: de cessacionista, e depois cética, eu passaria a ser continuísta – e entenda que, quando me declaro continuísta, não estou nem por um segundo concordando com as bizarrices que vemos no meio gospel atualmente, ou ignorando que todo sinal e maravilha deva ser analisado à luz da Palavra (Sola Scriptura!). A esse respeito, li há alguns dias um texto que ilustra bem o meu pensamento, e quem sabe um dia eu ainda me atreva a escrever sobre isso.

As mudanças não pararam por aí, foram inúmeras até que eu me tornasse quem sou hoje, e continuam outras tantas até que pouco a pouco eu descubra o que me espera amanhã.

Atualmente eu ando me identificando com outras coisas, outras letras e melodias. Nesses últimos meses, não consigo pensar em uma letra com que eu me identifique mais do que essa:

  • Ele me deu esperança – Rm 5:3-5

  • Ele fez tudo novo outra vez – 2Co 5:17